Na carteira de investimentos: Ouro ou Bitcoin?

Ouro ou Bitcoin. Algo incompreensível está acontecendo entre ouro e criptomoedas. O ouro é vendido para comprar criptomoedas? O Ouro ou Bitcoinque está causando muita confusão.

A chave parece ser desvincular nossa carteira de investimentos, tanto quanto possível, diante a fatores como a desvalorização da moeda fiduciária, a prodigalidade e o crescimento da dívida pública, o controle intenso da vida cotidiana; a imposição fiscal ao extremo de confiscar nosso patrimônio, pagando ao governo para emprestá-lo nosso próprio dinheiro, e dúvidas diante das grandes mudanças que ocorrerão em um período não superior a cinco anos.

Glossário do conteúdo do artigo:

Escolha um corretor seguro e regulamentado e invista em os melhores ativos em 2021

Este cenário obriga-nos a descorrelacionar os nossos investimentos e a desenvolver um modo diferente de mentalidade de investidor, para nos ajustarmos à realidade que emerge e que vivemos; Embora pareça estar começando, já há um longo caminho a percorrer.

Nessas circunstâncias, eles nos colocaram à prova. Eles experimentaram a resiliência dos cidadãos perante as adversidades, têm sido capazes de pressionar o quanto somos capazes de suportar perante mentiras e experiências, sem receber qualquer reação nossa.

Portanto, é uma situação catastrófica, o que suscita reflexos sobre o ouro e o Bitcoin. Embora você já conheça minhas abordagens sobre o assunto, para quem tem pouco tempo, explicarei no que baseio minhas conjecturas para concluir que ouro e Bitcoin são opções de descorrelação, para levá-los em conta, mas não são alternativas.

Não deve ser entendido como o dilema do ouro ou do Bitcoin, mas sim agregá-los aos nossos investimentos, ainda que de forma cautelosa. Ambos são ativos e devem ser considerados em carteiras bem diversificadas.

Acho que uma das razões para este dilema é que o conceito de “valor de porto seguro” é desconhecido pelos investidores.

Antecedentes da Alternativa Ouro ou Bitcoin

Muito se escreveu na mídia sobre os motivos que levaram à forte queda dos índices e a surpreendente demanda por saques de capital de fundos com paridade de risco.

Os fundos de paridade de risco são altamente alavancados, e no período entre fevereiro e março, época do crash de 2020, muito medo foi causado entre os investidores que tiveram que fazer grandes retiradas de capital, induzindo os gestores a vender todos os tipos de ativos, para responder a pedidos de liquidez exigidos pelos clientes.

A venda massiva de ativos em um momento de queda livre de todos os produtos, deixaram todos os mercados financeiros com uma forte distorção que precipitou a queda das ações, bonificações, matérias primas e divisas, sem descartar os fundos de investimento, seja qual for o tipo.

A título de exemplo, o fundador da Bridgewater Associates, uma das melhores administradoras de fundos do mundo, teve perdas estimadas em 20%; Além disso, todos os setores em todos os principais mercados do mundo foram para o poço. A queda na paridade de risco teve um efeito devastador.

Bitcoin ou ouro como um ativo de refúgio seguro

Os ativos de refúgio seguro têm a capacidade de manter alguma estabilidade no mercado e podem, em alguns casos, aumentar de valor. Os ativos de refúgio são utilizados quando há incertezas nos mercados financeiros, seja por enfraquecimento, correções, crises, entre outros.

Entre fevereiro e março de 2020, os ativos de refúgio foram o dólar americano, o franco suíço e o iene; entretanto, as quedas ficaram entre 30% e 40%, dependendo da área.

Os índices norte-americanos ficavam em média em 35%, na Europa em 40%, devido à menor força econômica em relação ao mercado norte-americano.

Para todos esses, a perspectiva de crise afundou o dólar em relação a outras moedas refúgio.

Comportamento do Bitcoin como refúgio entre fevereiro e março de 2020

O Bitcoin também sofreu uma queda acentuada, ainda maior do que qualquer outro índice de referência, par de moedas ou ativo. No entanto, ninguém se preocupou, pois se tratava de um ativo “desconhecido”, “descentralizado”, sem regulação oficial, “etéreo” e volátil.

Movidos pelo desejo de destruí-lo, em vez de provar sua confiabilidade, eles o atacam e continuam a vasculhar seus flancos; mas até agora não encontraram onde penetrar em sua estrutura para esse fim.

Embora seja verdade que sua volatilidade é assustadora, porque sabemos que volatilidade é igual a risco, ele se recuperou de sua queda vertical. Demorou para se recuperar, para atingir seu valor inicial antes da queda; até que depois de 166 dias no mercado financeiro, se recuperou.

Comportamento do ouro como refúgio entre fevereiro e março de 2020

O ouro à vista aumentou sua volatilidade e conseguiu suportar a distorção do mercado até março de 2020. A distorção causou perdas da ordem de 14,09%, mas se recuperou em 24 pregões no mercado financeiro.

As consequências da distorção do mercado

Muitos acham que o Bitcoin se comportou como um refúgio durante a crise, por não ser considerado um dos paraísos clássicos, até porque não havia fundos de investimento que tivessem Bitcoin em seu portfólio diversificado. Mas não foi assim.

Se você se lembrar do crash da paridade de risco, em que era preciso vender tudo, se eles tivessem Bitcoin, também o teriam vendido. E o Bitcoin não estava sendo considerado um porto seguro contra o ouro. Você tem que estar ciente disso.

Consequentemente, a compra e a descorrelação de ambos os ativos considerados refúgio, diante das desacelerações do mercado financeiro, devem ser entendidas como o resultado lógico do ocorrido.

O ouro é um bem tangível, com problemas para armazená-lo e transportá-lo, por ele não são pagos dividendos ou impostos, mas protege contra a inflação, porque enquanto a moeda fiduciária diminui de valor com as desvalorizações, isso não acontece com o ouro.

Embora algo semelhante aconteça com o Bitcoin, ele não tem problemas de armazenamento ou transporte. Mas não é um ativo tangível.

O que fazer?

A lógica é vender títulos soberanos e ações cíclicas afetadas negativamente pela inflação. Não há escolha a não ser investir um pouco em Bitcoin e ouro.

Qual a opinião de JP Morgan? A adoção generalizada do Bitcoin aumenta sua correlação com ativos de risco.

O Citibank sugere que as criptomoedas devem ser reavaliadas, pois podem se tornar o modo de escolha no mercado internacional. Por fim, devemos continuar buscando soluções para esse dilema, uma vez que ouro e Bitcoin não são alternativas, mas complementares.

Escolha um corretor seguro e regulamentado e invista em os melhores ativos em 2021

admin

Diretor e desenvolvedor de empreendimentos online. Especialista em aplicações financeiras como forex, ações, criptomoedas. Pesquisador de novos mercados disponíveis para pessoas com conhecimento financeiro.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.