Preços do petróleo e a crise mundial

A crise econômica mundial teve um impacto decisivo sobre os preços do petróleo, devido à baixa demanda que tem ocorrido por causa da pandemia que está atingindo o planeta, atualmente seu preço está nacionalizado em 38,5% e com possibilidades de melhora eles não são muito lisonjeiros.

Glossário do conteúdo do artigo:

Escolha um corretor seguro e regulamentado e invista em petróleo em 2020

O aparecimento da pandemia gerou uma crise profunda em múltiplas áreas, não só a nível da saúde, mas também teve um impacto muito negativo na área econômica e comercial.

Uma das áreas mais afetadas foi a indústria do petróleo.

Os valores oscilantes do preço do petróleo

As quedas que o movimento do petróleo tem apresentado têm gerado muitas expectativas quanto a quais serão os níveis que poderá apresentar no resto do ano.

Alguns dizem que vai variar de $ 33 a $ 43. Ainda que recentemente o petróleo do Texas teve uma movimentação próxima a 42 dólares, conseguindo se manter nesse valor nos últimos meses.

Especialistas acreditam que se os confinamentos crescerem demais, será necessário furar o solo.

Afirma-se também que, no médio prazo, um corte de barris que pode chegar a 12 milhões na produção mundial, somado ao que o Irã e a Líbia conseguem produzir, que até agora permanecem encalhados, pode gerar um aumento para 15 milhões de barris. barris, um incentivo positivo.

Essa abordagem serviria para amortecer os preços do petróleo, alcançando estabilidade, a fim de preservar a economia mundial dos efeitos da pandemia.

Por esse motivo, destaca-se que a queda no preço do petróleo se deve ao fato de a demanda estar condicionada ao nível do Produto Interno Bruto (PIB).

Porém, a deterioração do seu custo e a derrocada provocada pela COVID 19, é grave e preocupante pela sua persistência, face a uma solução que não se avista a curto prazo, visto que se presume que pode ser prorrogada indefinidamente.

A indústria do petróleo se apresenta como uma realidade, onde se considera que os níveis do PIB não vão se recuperar no curto prazo, devido à crise crescente que se arrasta e que pode perdurar, segundo avaliações de especialistas, até 2022 ou 2023.

Esse critério generalizado significa que o petróleo terá uma demanda moderada, assim como seu preço, durante todo o período de existência da pandemia.

O colapso do preço do petróleo. Outras alternativas de energia

As economias em todo o mundo sofreram mudanças severas devido às condições energéticas e sanitárias que os países do mundo estão experimentando.

Diante da pandemia, a economia da Alemanha caiu 10,9% neste ano, assim como a economia espanhola, que caiu 18,5%. Esses declínios são sem precedentes nessas nações.

Outro elemento relevante para a queda do preço do petróleo bruto é que os trabalhadores não têm conseguido ingressar no trabalho e nas atividades, o que prejudica a baixa produção e distribuição do item.

Um fator que atua nesse detrimento é a baixa demanda por combustível para o transporte aéreo, que está abaixo de um milhão de barris de petróleo por dia, que antes era de 7 milhões.

Essa notável diferença de 6 milhões de barris de petróleo bruto, referida à procura, pode ser que se recupere em 2021, mas isso vai depender do controlo da pandemia e do progresso médico que houver em termos de resolução dessa terrível doença que assola toda a população em geral.

O economista Philippe Waechter observa que outro fator que impacta negativamente a demanda por petróleo bruto é o que hoje se chama de economia verde.

Isso significa que os cidadãos têm o desejo de reduzir a poluição produzida por alguns itens, especialmente o carbono em nível planetário. Portanto, outras fontes alternativas de energia estão sendo consideradas.

A sociedade não sabe universalmente quanto tempo durará esta crise de saúde que oprime toda a população. Por isso, diz-se que face a este desastre, outras áreas de energias alternativas devem ser consideradas.

Uma dessas alternativas é representada pela indústria automobilística, determinada a gerar uma mudança, a fim de agradar e estimular os usuários a terem uma vida mais saudável.

Nações que não dependem da indústria do petróleo

Alguns governos têm outros sistemas de energia, dependendo muito pouco ou quase nada da indústria do petróleo, pois financiam algumas iniciativas de geração de energia em outras áreas.

No futuro, os países desenvolvidos diminuirão sua dependência do petróleo. Isso produzirá uma compensação para os países em desenvolvimento, que são os mais dependentes do petróleo.

Porém, a manutenção dos preços será decisiva para esses países.

O que significa que muitas nações, diante das oscilações de preços, serão obrigadas a recalcular seus orçamentos, já que muitas vezes são estimados preços muito altos e então eles têm que se ajustar aos preços mais baixos.

Estima-se que esse declínio crescente e decrescente do petróleo seja de curto e médio prazo. Logicamente, se houver pouca demanda, haverá pouca produção e essa tendência deve influenciar no aumento de seu preço.

O problema reside no fato da OPEP estar desenvolvendo uma estratégia que consiste em, a preços mais baixos, buscar compensar a queda da renda com maior produção.

Mas esse excesso de oferta resulta em uma nova queda dos preços.

Nos últimos tempos, a indústria do petróleo declinou em suas atividades e suas ações diminuíram.

Hoje, muitos países que antes eram produtores, prosperando pelo progresso e riqueza, estão dizimados em seu desenvolvimento devido à atual tempestade dos preços do petróleo.

No entanto, os grandes países produtores de petróleo continuam esperando que a pandemia passe para sonhar com a recuperação da economia mundial do petróleo.

Escolha um corretor seguro e regulamentado e invista em petróleo em 2020

admin

Diretor e desenvolvedor de empreendimentos online. Especialista em aplicações financeiras como forex, ações, criptomoedas. Pesquisador de novos mercados disponíveis para pessoas com conhecimento financeiro.

Deja una respuesta

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.